Conjunto Moderno da Pampulha será Patrimônio Mundial

 

igraja

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) divulgou que o dossiê de candidatura do Conjunto Moderno da Pampulha a Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (Unesco) foi aprovado. A eleição será realizada em julho, durante a reunião do Comitê do Patrimônio Mundial em Istambul, na Turquia.

Inaugurado em 1943, em Belo Horizonte, o Conjunto Moderno da Pampulha – tombado pelo Iphan em 1997 – é resultado das ideias do arquiteto Oscar Niemeyer, com colaboração do engenheiro Joaquim Cardozo, e do paisagista Roberto Burle Marx. Também marcam o projeto painéis de Cândido Portinari e esculturas de Alfredo Ceschiatti.

Marcado por formas curvas, que exploram o potencial plástico do concreto, o conjunto é formado pela Igreja de São Francisco de Assis, a Casa de Baile, o Iate Tênis Clube, o Museu de Arte da Pampulha (antes Cassino), a residência de Juscelino Kubitschek, o espelho d’água e trecho da orla da Lagoa da Pampulha.

A igreja, incluindo suas obras de arte, foi o primeiro monumento moderno a receber proteção federal no país, com tombamento datado de 1947. Em março deste ano, o painel de azulejos pintado por Portinari foi pichado. Segundo o site G1, os trabalhos de restauração e limpeza custaram R$ 8 mil e as polícias militar e civil cumpriram dois mandados: um de prisão; outro de busca e apreensão.

Em maio, Oscar Niemeyer teve mais três obras tombadas pelo Iphan: o Museu de Arte Contemporânea de Niterói e a Passarela do Samba, no Rio de Janeiro, e o conjunto de edificações projetadas para o Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Elas complementam a relação, encaminhada pelo próprio arquiteto, de 24 monumentos protegidos desde 06 de dezembro de 2007 como patrimônio cultural brasileiro em homenagem ao seu centenário.

 
Fonte: ArcoWeb

ESCULTOR CHINÊS PASSOU 4 ANOS ESCULPINDO

 FANTÁSTICO, SOBRENATURAL, MARAVILHOSO: ESCULTOR CHINÊS PASSOU 4 ANOS ESCULPINDO

A China tem uma longa tradição em esculturas de madeira. Há séculos os seus mestres do cinzel vem transformando pedaços de madeira bruta em obras de arte inspiradoras, mas nenhuma tão impressionante como a criação alucinante de Zheng Chunhui. Este talentoso artista chinês passou os últimos quatro anos meticulosamente esculpindo uma réplica detalhada de uma famosa pintura tradicional chinesa chamada “Ao longo do rio durante o Festival Qingming“, em um tronco de árvore de pouco mais de 12 metros de comprimento.

Leia Mais»